Banking – Sistema financeiro e mercado de capitais, Decisões, Direito do trabalho, Não categorizado

TRT da 4ª Região reconhece validade no enquadramento dos gerentes de relacionamento de banco na exceção do art. 224, §2º, da CLT

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região deu provimento a recurso ordinário interposto por instituição financeira para reconhecer a validade no enquadramento dos gerentes de relacionamento (ou gerente especial) do banco na exceção do art. 224, §2º, da CLT, declarando, por consequência, indevido o pagamento de horas extras a esses funcionários pela sétima e oitava horas diárias trabalhadas.


No caso em questão, foi ajuizada ação coletiva trabalhista por sindicato de empregados em estabelecimentos bancários em face de instituição financeira, pretendendo o reconhecimento do dever do banco de pagar aos seus funcionários que exercem os cargos de gerente de relacionamento 2 (duas) horas extras laboradas diariamente por não se enquadrarem na exceção do art. 224 § 2º da CLT, já que, de acordo com o autor da ação, esses funcionários não exerceriam função de confiança.


O banco apresentou contestação trazendo questões preliminares e, no mérito, requereu a improcedência da demanda. Após instrução do feito, todavia, foi proferida sentença de parcial procedência da demanda, contra a qual tanto o sindicato quanto o banco interpuseram recurso ordinário.
O Tribunal entendeu por dar provimento ao recurso da instituição bancária. Da leitura do acórdão extrai-se que a Turma julgadora, conquanto tenha reconhecido a legitimidade do sindicato para fazer os pleitos na qualidade de substituto processual, afastado a alegação de inépcia da inicial, já que preenchidos os requisitos do art. 840, 1º, da CLT, e o pedido de cerceamento de defesa, por entender que não houve prejuízo ao banco pela produção das demais provas solicitadas, entendeu que a função de gerente de relacionamento especial estaria enquadrada na exceção do art. 224, §2º, da CLT.


A Turma julgadora relembrou, primeiramente, a previsão legal, afirmando que a regra para bancários é de 6 (seis) horas contínuas de trabalho nos dias úteis, com exceção dos sábados, o que gera um labor de 30 (trinta) horas semanais. Completou trazendo à tona a exceção à regra, prevista no art. 224, §2º, da CLT, que estabelece que “aqueles bancários que exercem funções de direção, gerência, fiscalização, chefia e equivalente, ou que desempenhem outros cargos de confiança, desde que o valor da gratificação por eles percebida não seja inferior a um terço do salário do cargo efetivo” trabalham 8 (oito) horas semanais.

Leia também:  Irregularidade na representação processual acarreta a extinção do processo


Analisando o documento juntado pela instituição financeira que traz as funções desempenhadas pelo gerente de relacionamento especial, afirmou o Tribunal que “do exame das normas internas do Banco, infere-se que as atribuições relacionadas pelo reclamado para os empregados que desempenham o cargo em questão não consistem em tarefas meramente administrativas, operacionais e técnicas, sendo possível identificar a imputação de fidúcia diferenciada a esses empregados”.


Para sustentar sua posição, afirmou ainda o colegiado que são exemplos de funções por eles desempenhadas que exigem fidúcia especial a gestão de carteira de clientes, a concessão de limites de crédito e a assessoria em investimento. Trouxe à tona, também, relatos efetuados pela testemunha ouvida nos autos de que os gerentes assinam proposta de abertura de conta, tem alçadas diferentes e superiores em relação aos caixas, além de maior poder de contratação.


Para completar, assentou a Turma julgadora que não se exige para a configuração da exceção prevista no art. 224, §2º, da CLT, amplo poder de mando, gestão e de representação, já que essas funções apenas seriam exigidas para a aplicação do art. 62, II, da CLT.


Concluiu, assim, que para o enquadramento na exceção à regra do art. 224 basta “a existência de fidúcia diferenciada da confiança natural de toda relação jurídico trabalhista, pela qual o empregado se destaca em posição de estratégia” e que, no caso concreto, “o conjunto probatório dos autos demonstra que o conteúdo ocupacional do cargo em apreço se amolda à exceção do §2º do art. 224 da CLT”.


O acórdão foi publicado em janeiro de 2020.


Para saber mais, confira a íntegra da decisão.

Compartilhar

Voltar para lista de conteúdos